slider

Recent

Tecnologia do Blogger.
Navigation

Mulheres vão às ruas contra violência e reforma da Previdência em Juiz de Fora

Manifestação no dia da mulher em Juiz de Fora levou milhares de pessoas às ruas, segundo a organização
Foto: Fellype Alberto/G1


 Mulheres e representantes de diversos movimentos sociais fizeram nesta quarta-feira (8) uma manifestação no Centro de Juiz de Fora, chamando atenção para a violência contra mulheres e para a reforma da Previdência. O protesto ocorreu em apoio ao movimento “Greve Internacional 8M”, referente ao Dia Internacional da Mulher.

O grupo, com ampla maioria feminina, se concentrou na Praça da Estação e seguiu até o pátio em frente ao Cine Theatro Central, na Rua Halfeld. De acordo com os manifestantes, cerca de 1.500 pessoas se juntaram durante o protesto. Já a Polícia Militar (PM), que acompanhou todo o trajeto, estimou em 450 participantes.

Participaram do ato representantes de aproximadamente 25 movimentos sociais e grupos como a União Brasileira de Mulheres, Coletivo Maria Maria, Movimento Mulheres em Luta, Coletivo Preta-Ação, além de sindicatos de professores, bancários, engenheiros, médicos, arquitetos, entre outros.

Segundo uma das organizadoras, Laiz Perrut, o protesto teve como objetivo mobilizar as mulheres para lutar contra a reforma da Previdência.  “Quem vai pagar a conta mais cara da reforma da previdência somos nós, mulheres. Querem igualar a idade mínima de aposentadoria com a dos homens sem levar em consideração a dupla ou tripla jornada de trabalho”, defendeu.

Ainda duramente a concentração, representantes de diversos movimentos puderam expor suas ideias e usaram o espaço para defender direitos. “Queremos as mulheres como protagonistas, não vamos deixar que nos tomem os direitos conquistados com tanta luta”, destacou uma representante do Diretório Acadêmico da Faculdade de Serviço Social.

Após diversos discursos, mulheres e homens solidários à causa, subiram a Rua Halfeld cantando músicas em protesto contra a reforma da Previdência e ressaltando que a luta das mulheres deve acontecer diariamente e não apenas no Dia da Mulher.

Durante o trajeto os manifestantes fecharam o trânsito na Avenida Getúlio Vargas, causando um engarrafamento que envolveu centenas de veículos. Em seguida, o protesto continuou em direção ao Cine Theatro Central, onde diversas mulheres se apresentaram, com músicas, danças e teatro.


Fonte: portal G1
Compartilhe
Banner

Ítalo Dorneles

Poste um comentário:

0 comments: