slider

Recent

Tecnologia do Blogger.
Navigation

A vida em família da magistratura gaúcha

Arte EV sobre foto Camera Press


O Conselho Nacional de Justiça lançou uma série de relatórios com as opiniões e o perfil de magistrados e funcionários de cada tribunal do País, que teve a participação voluntária de 64% da magistratura e 60% dos servidores. Os relatórios inéditos traçam um diagnóstico individual de cada uma das cortes brasileiras.

Detalhes pinçados pelo colunista em relação ao RS: a) nos foros e na Corte estadual (TJRS), 62,8% dos magistrados responderam ao recenseamento; b) 10% são solteiros; c) 1,3% são viúvos; d) o percentual de divorciados é de 7,1%; e) são casados ou vivem em união estável com pessoa de outro sexo 78,1%.

Uma curiosidade: segundo o censo, “1% é casado(a) ou em união estável com pessoa de mesmo sexo”.

Como os dados oficiais registram que a magistratura estadual gaúcha em atividade é integrada por 137 desembargadores, 636 juízes e 38 pretores (total: 851 pessoas), o Espaço Vital conclama os estatísticos a avaliar e opinar se esses mesmos percentuais podem linearmente se aplicar num universo de 100%. Se a resposta for afirmativa, seriam então, oito ou nove que manteriam convivência ou matrimônio homossexuais.

Segundo ´rádio-corredores´, na vida real, os(as) magistrados(as) “casados(as) ou que estão em união estável com pessoa de mesmo sexo são em número de dez”.

A propósito

Sobre uniões homossexuais mais três potins.:

• Na Justiça do Trabalho do RS – em ambos os graus - 2% dos magistrados disseram serem “casados(as) ou viverem em união estável com pessoa de mesmo sexo”.
• No TRF-4 e na Justiça Federal do Sul (RS, SC e PR) – nesse mesmo tipo de relacionamento são 1,5%.
• Na Justiça Militar do RS – integrada por seis homens e seis mulheres - o índice de relacionamento homoafetivo é zero.

O censo feito pelo CNJ não apresenta a tabulação nacional, nem estadual. Os dados disponíveis são apenas por tribunais. Estes, em todo o País, são 91.

Os dados das Cortes superiores não foram revelados.


Fonte: Espaço Vital, notícias jurídicas
Compartilhe
Banner

Ítalo Dorneles

Poste um comentário:

0 comments: