slider

Recent

Tecnologia do Blogger.
Navigation

Porandubas políticas - Migalhas


A gorjeta de Bill Gates

Abro com uma historinha de fazer pensar.
Certo dia, Bill Gates foi ao restaurante junto com sua esposa e filhos, duas meninas e um garoto. Eles sentaram-se em mesas diferentes, mas foram atendidos pelo mesmo garçom. Durante o jantar tudo ocorreu normalmente. Depois de pedir a conta, Bill a pagou na mesa, deixando para o garçom uma gorjeta de cinco dólares. O que deixou o homem com uma cara estranha, chamando a atenção de Bill, que perguntou:
- O que houve ?
O garçom respondeu:
- O senhor vai me desculpar, mas acho um pouco estranho, pois seus filhos me deram 500 dólares de gorjeta e você, sendo o homem mais rico do mundo, me deu apenas cinco.
Bill sorriu e respondeu:
- Eles são filhos do homem mais rico do mundo, eu sou filho de um lenhador.
Moral: Jamais devemos nos esquecer de onde viemos.

Feridas abertas

As feridas da guerra eleitoral ainda estão abertas. Precisarão de remédio ainda por muito tempo. Os ânimos não se acalmarão tão cedo por causa da animosidade que teima em dar suas pauladas nas redes sociais. A cargo dos exércitos dos dois lados. Nesse momento, urge recuperar o bom senso. Não é o caso de duvidar dos resultados eleitorais, coisa que pode parecer virada de mesa à base do tapetão. Os tucanos podem até exigir investigação do processo eleitoral, mas esse pedido cai como inconformismo. A mídia nunca foi tão combativa e atenta quanto nesses tempos de voto dividido. E não estamos vendo a mídia trabalhar com o conceito de roubo nas urnas, conchavos, etc.

Papel dos tucanos

Ora, os tucanos não se saíram mal do processo eleitoral. Ao contrário, foram muito bem votados, a partir de SP, cujo maior colégio de eleitores elegeu Geraldo Alckmin no primeiro turno. Espera-se, agora, que façam uma oposição aguerrida, mas decente, séria, sem apelos populistas ou revanchismo. Essa trombeta de grupos radicais que pregam um golpe e a volta dos militares deixa o PSDB em maus lençóis. Por mais que o partido diga que não é esse o discurso, acaba caindo em seu colo esse queixume de derrotados. Bola pra frente.

Aécio, a liderança tucana

Aécio Neves vai consolidar sua posição de principal líder tucano. Teve uma grande votação. Aprimorou seu discurso. Poderá se firmar como liderança respeitável, admirada, aplaudida, caso consiga ser um oposicionista equilibrado. Como sói ocorrer, Dilma entrará num círculo de fogo, enfrentando ajustes, controles, represamento de preços, brigas de partidos por cargos. Será submetida a um imenso corredor polonês. E Aécio se sentará de maneira confortável no Senado, olhando a cena, perorando, cobrando, criticando.

Dilma e as pressões

A presidente reeleita entrará numa fase de pressões insuportáveis. Precisa agradar aos políticos, aos partidos, às organizações sociais, à miríade de setores produtivos. Precisa compor um ministério que agrade a todos, que seja representativo da composição política que a elegeu ; precisa mudar a índole no que diz respeito ao tratamento de políticos e partidos ; mas precisa formar um grupo mais homogêneo, forte no domínio da matéria econômica, compromissado com a meta do resgate do crescimento. Será um deus nos acuda. De um lado, as pressões puxando para a velha política ; de outro, a necessidade de botar o carro da nova política na trilha das mudanças.

Lula quer mais força

Lula, por sua vez, quer ter maior influência no governo. Não apenas para demonstrar força, mas para tentar fazer uma revolução no partido e ajudar o governo a encontrar o rumo. Lula sabe ouvir e agradar aos partidos. É o que dizem as lideranças partidárias. Sabe articular. E sabe pôr ordem na casa, a partir da mansão partidária. Nesse espaço, Lula pretende resgatar o ideário petista, fazendo renascer a chama dos trabalhadores e o escopo da esquerda por uma nova ordem social. A virada à esquerda se faz necessária porque o partido chegou ao centro, deslocando outros entes políticos, como o próprio PSDB, mais para a direita. Ele sabe que se o PT não redesenhar a imagem corroída, chegará ao fim de linha com o segundo mandato de Dilma.

PMDB, o coringa

O PMDB é o partido mais capilar do Brasil, aquele que consegue se infiltrar nas veias municipais, estaduais e no coração do poder. É um partido que divide para somar. Perdeu apenas quatro deputados em relação à bancada anterior, enquanto o PT perdeu 18 parlamentares. Terá o comando do Senado e vai brigar pelo comando da Câmara. Apesar de se mostrar, hoje, um partido dividido, é razoável pensar em sua unidade, principalmente tendo em vista o futuro pleito presidencial. O presidente do PMDB, vice-presidente da República Michel Temer, terá sob sua responsabilidade a integração de propósitos dos peemedebistas. Como hábil articulador, deve-se apostar na hipótese.

Renovação

A derrota de figuras importantes no partido abrirá portas para novas lideranças no PMDB. José Sarney está dando um adeus ao mandato de senador e perdeu no MA ; Lobão, o ministro das Minas e Energia, amarga a derrota de seu filho, no MA. Eunício Oliveira, o senador, perdeu a eleição no CE para governador ; o senador Eduardo Braga perdeu no AM ; o senador Romero Jucá perdeu em RR, com seu filho Rodrigo como candidato na chapa de Chico Rodrigues ; Jader Barbalho perdeu no PA com a derrota de seu filho Elder para o governo. Renan conseguiu se salvar com a vitória de seu filho, Renan, no primeiro turno, para o governo de AL. Requião, o senador de expressão contundente, perdeu o governo do PR. Geddel Vieira, ex-líder do partido e ex-ministro, perdeu a eleição para o Senado na BA. Henrique, presidente da Câmara, perdeu a eleição para o governo do RN.

Mais força

Não se pense, porém, que isso tenha reflexos em sua fortaleza política. Ora, o PMDB elegeu sete governadores, mostrando que continua a ser o ente com mais força na frente das composições políticas. E ante esse quadro, o presidente do PMDB, Michel Temer, sai fortalecido com sua vitória como vice-presidente da República. A pressão sobre ele, inclusive dos derrotados, será intensa. Este consultor acredita que a força do PMDB no segundo mandato de Dilma será maior.

Tucanos nas prefeituras

Os tucanos começam a planejar o futuro. A estratégia é a de eleger o maior número de prefeitos de capitais, de cidades grandes e médias, em 2016. Para tanto, poderá até convocar suas grandes lideranças. Este consultor ouviu de um prócer tucano a ideia do partido de escolher o senador eleito, Antonio Anastasia, como candidato a prefeito de BH. Já em SP, o senador mais votado do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, poderia ser o candidato a prefeito pelo partido dos tucanos.

Pedrinhas no tabuleiro

A derrota de hoje poderá ser a vitória de amanhã. A hipótese começa a ser considerada por muitos derrotados no último pleito, que já pensam em aproveitar o recall obtido e expandido na última campanha para utilizá-lo no próximo embate, em 2016. A campanha será mais barata, se nomes conhecidos forem os candidatos. Em SP, além de Aloysio Nunes, os tucanos pensam também no vereador Andrea Matarazzo. No PMDB, começa a circular a ideia de resgatar o nome de Gabriel Chalita, que hoje se dedica à vida cultural. Seria um nome de peso para a prefeitura. E também se volta a falar no nome de Paulo Skaf, um perfil sempre arrojado e determinado, possivelmente por outro partido que não o PMDB, onde ele ainda se encontra. Como se sabe, a última campanha deixou arestas entre ele e figuras do partido.

Empresariado quer participar

Seja quem for o escolhido para comandar o Ministério da Fazenda, o empresariado quer participar da formulação da nova política econômica. Há empresários do porte de Jorge Gerdau que não perdem a esperança de ver o país voltando a trilhar pelo caminho do crescimento econômico. Em meia de hora de conversa, Gerdau diz as coisas essenciais para a economia retomar o fio da meada em matéria de crescimento.

Retrato do país

Dia 7, sexta-feira, ao lado dos jornalistas José Nêumanne Pinto e Audálio Dantas, estarei fazendo uma pequena radiografia do Brasil após as eleições. No Espaço Sociocultural - Teatro CIEE-SP, rua Tabapuã, 445. Participação aberta. Meu último livro - Novo Manual de Marketing Político - será distribuído aos presentes.

Quarta democracia

O Brasil que sai das urnas mostra ser um dos maiores laboratórios da democracia contemporânea. Os nossos 142 milhões de votantes posicionam o país no quarto degrau do ranking eleitoral, cujos três primeiros lugares são ocupados pela Índia, com 815 milhões de eleitores, os Estados Unidos, com cerca de 215 milhões, e a Indonésia, com 187 milhões.

Imperfeita

A prestigiada revista The Economist fez uma pesquisa em 167 países, levando em conta uma planilha com as seguintes categorias : processo eleitoral e pluralismo, liberdades civis, funcionamento do governo, participação popular e a cultura política. Nela, ocupamos a 45ª posição, ao lado de países de democracia imperfeita, dentre os quais, pasmem, estão democracias de forte tradição como a francesa (29ª), a italiana (31ª) e a grega (32ª). A Índia, por exemplo, está na mesma faixa do Brasil, ocupando o 39º lugar. Ora, há 50 anos nosso país entrava na escuridão de um golpe militar que durou 21 anos, tendo fixado as linhas mestras de sua democracia apenas a partir de 1988, com a chamada Constituição cidadã, que veio atender as demandas da sociedade organizada. Sob uma pletora de liberdades, direitos e deveres, garantidos pela CF, realizou-se o pleito mais competitivo das últimas décadas.

Índia

A animação da vida cívica que se viu no último pleito constitui expressiva amostra da efervescência inerente às democracias incipientes. Não há motivo para assombro. Se formos projetar os tipos de voto dados aos candidatos da situação e da oposição, domingo passado, encontraremos pontos em comum com as competições de outros países. Em maio deste ano, por exemplo, o partido nacionalista da Índia obteve vitória esmagadora sobre o partido do Congresso, acabando com 10 anos de poder da dinastia Ghandi-Nehru, deteriorada (sabem por quê ?) pelo precário crescimento do país e por uma batelada de escândalos de corrupção.

EUA

Já nos Estados Unidos, a votação dos democratas é geralmente associada a grupos e setores avançados, progressistas, simpáticos às causas sociais ; os votos republicanos são oriundos de polos conservadores nas áreas dos costumes (contra o aborto, contra o casamento gay e a legalização de drogas), dos valores morais e da economia (defesa do Estado-mínimo, redução de impostos, privatizações, fim de programas sociais, etc.). Lá, a linguagem da "lama" (mudslinging) é frequente e intensa, sendo usada de forma intensa na mídia eletrônica.

Aqui, dois tipos de voto

Por aqui, essa estratégia acabou sendo usada pesadamente e com efeitos deletérios. Cada exército lutou por sua meta : de um lado, a continuidade do ciclo petista, de outro, a abertura de uma nova era. Por aqui, mais que uma luta esganiçada entre regiões, como incautos chegaram a enxergar, o que se viu foi uma batalha entre duas forças : uma, abrigando o voto material ; outra, o voto valorativo. A primeira reúne os contingentes atentos às coisas materiais, concretas, como os pacotes assistencialistas do governo - bolsa família, luz para todos, minha casa, minha vida, etc. O sufrágio ligado ao bolso e à barriga foi despejado nas urnas, sobretudo, pelas massas que dependem do Estado. A segunda força votou na carta de valores : a ética, a dignidade, a seriedade, a moral, tendo como pano de fundo, o repúdio aos escândalos e às denúncias. O voto material suplantou o voto valorativo.

____________

Lançamento

A partir das colunas recheadas de humor para uma obra consagrada com a experiência do jornalista Gaudêncio Torquato.
Em forma editorial, o livro "Porandubas Políticas" apresenta saborosas narrativas folclóricas do mundo político acrescidas de valiosas dicas de marketing eleitoral.
Cada exemplar da obra custa apenas R$ 60,00.
Adquira o seu, clique aqui.

____________

A coluna Porandubas Políticas, integrante do site Migalhas (www.migalhas.com.br), é assinada pelo respeitado jornalista Gaudêncio Torquato, e atualizada semanalmente com as mais exclusivas informações do cenário político nacional.


Fonte: Boletim Migalhas
Compartilhe
Banner

Ítalo Dorneles

Poste um comentário:

0 comments: