slider

Recent

Tecnologia do Blogger.
Navigation

Movimentos sociais acusam ação “fascista” contra Lugo no Paraguai


Vanessa Ramos, via Rede Brasil Atual

Na opinião de organizações camponesas paraguaias, a abertura do processo de impeachment contra o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, aprovado na quinta-feira, dia 21, pela Câmara dos Deputados, é uma manobra de grupos de direita, contrários aos interesses do povo.

Segundo Adriano Muñoz, integrante da Organización Campesina del Norte (OCN) e da Via Campesina Internacional, é uma ação fascista mascarada como democracia. “Estão pisando na dignidade de nosso povo. Os deputados e senadores que estão a favor desse julgamento são em sua maioria corruptos, oportunistas e apoiadores dos latifundiários, quando não são eles mesmos os proprietários de terras no país”, afirmou.

Para o dirigente Sixto Cabrera, do Movimiento Campesino Paraguayo, a decisão é um golpe disfarçado de constitucionalidade, porque querem utilizar a legislação para depor o presidente. “Defendemos uma votação feita pelo próprio povo, que é contrário à saída de Lugo. Se algo assim ocorre, teremos um retrocesso para toda a América Latina, visto que hoje o Paraguai é um país que trata bem o seu povo e que está junto com outros países como Bolívia, Venezuela e Equador”, disse.

As organizações camponesas dizem que é urgente lembrar outros golpes ou tentativas, como os que ocorreram na Venezuela, em 2002; em Honduras, em 2009, e no Equador, em 2010. “A nossa reflexão, inclusive, é que a embaixada dos Estados Unidos e a CIA estão envolvidos nesse tipo de ação, por trás dos bastidores. Sabemos a guerra contra a democracia que fazem em nossa América Latina”, afirmou Cabrera.

Muñoz afirma que os movimentos cobram dos organismos internacionais que essa situação seja urgentemente denunciada. “São os títeres do império que querem tomar o poder, mas não vamos aceitar. Estaremos nas ruas e não permitiremos isso”, disse.

“Denunciamos a ação desses senadores e deputados que apoiam a saída de Lugo e foram os mesmos que impediram, por exemplo, a entrada da Venezuela no Mercosul. São interesses econômicos e políticos articulados em rede pela direita nacional e internacional, que tanto quer nossas riquezas como a terra e a água. Daremos a nossa vida, se preciso for, para defender o processo democrático real, em nosso país”, concluiu Cabrera.

Histórico

A medida aprovada na quinta-feira, dia 21, na Câmara contra o atual presidente, Fernando Lugo, por parlamentares dos partidos Colorado e Liberal, teve 76 votos favoráveis ao impeachment, contra apenas um. O resultado ocorreu por causa das articulações políticas realizadas pelos legisladores dos partidos tradicionais. Eles trazem presente a ação de reintegração de posse da sexta-feira, dia 15, em Curuguaty, que teve como consequência a morte de 18 pessoas, entre policiais e camponeses.

Fonte: Blog Limpinho & Cheiroso


Compartilhe
Banner

Ítalo Dorneles

Mudei o meu perfil do blogger. Agora estou utilizando este aqui: https://draft.blogger.com/profile/12182443674733728583

Poste um comentário:

0 comments: