slider

Recent

Tecnologia do Blogger.
Navigation

Desaparecimento do cantor Belchior intriga amigos e fãs

Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes nasceu em Sobral, CE, em 26 de Outubro de 1946. Durante a infância foi cantador de feira e poeta repentista. Estudou musica coral e piano com Acaci Halley. Foi programador de radio em Sobral, e em Fortaleza CE começou a dedicar-se a musica, após abandonar o curso de medicina. Ligou-se a um grupo de jovens compositores e músicos – Fagner, Ednardo, Rodger, Teti, Cirino e outros – conhecidos como o Pessoal do Ceara. De 1965 a 1970 apresentou-se em festivais de musica no Nordeste. Em 1971, quando se mudou para o Rio de Janeiro RJ, venceu o IV Festival Universitário da MPB, com a musica Na hora do almoço, cantada por Jorge Melo e Jorge Teles, com a qual estreou como cantor em disco, um compacto da etiqueta Copacabana. Em São Paulo SP, para onde se mudou, compôs musica para alguns filmes de curta metragem, continuando a trabalhar individualmente e as vezes com o grupo do Ceara. Em 1972 Elis Regina gravou sua composição Mucuripe (com Fagner). Atuando em escolas, teatros, hospitais, penitenciarias, fabricas e televisões, gravou seu primeiro LP em 1974, na Chantecler. 0 segundo, Alucinação (Polygram, 1976), consolidou sua carreira, lançando canções de sucesso como Velha roupa colorida, Como nossos pais (depois regravadas por Elis Regina) e Apenas um rapaz latino- americano. Outros êxitos incluem Paralelas (lançada por Vanusa em 1975), Galos, noites e quintais (regravada por Jair Rodrigues) e Comentário a respeito de John (homenagem a John Lennon). Em 1983 fundou sua própria produtora e gravadora, Paraíso Discos, e em 1997 tornou-se sócio do selo Camerati. Sua discografia inclui Um show – dez anos de sucesso (1986, Continental) e Vicio elegante (1996, GPA/Velas), com regravações de sucessos de outros compositores.

Biografia: Enciclopédia da Música Brasileira
Art Editora e PubliFolha

Desaparecimento do cantor Belchior intriga amigos e fãs

Uma matéria especial exibida no Fantástico do último domingo (24) levantou uma dúvida entre familiares, amigos e fãs de um dos maiores cantores e compositores da história da nossa MPB: onde está Belchior?

Na reportagem, a equipe da revista eletrônica da Rede Globo não localizou o artista cearense, que foi visto pela última vez há quatro meses, quando deu uma palinha em um show de Tom Zé em Brasília. Mas levantou dados interessantes sobre seu desaparecimento: Belchior não fez check-out do hotel onde viveu por mais de um ano, em São Paulo; abandonou um de seus carros, uma Mercedes, no estacionamento; e largou seu outro carro no estacionamento do aeroporto de Congonhas.

Além disso, afirmou a matéria, o ateliê de pintura do cantor localizado na capital paulista está com a caixa de correio lotada e não há sinal de que ele tenha passado pelo endereço.

A família do cantor afirma que os últimos contatos deles com Belchior foram feitos em 2007, quando ele falava sem parar em uma guinada na sua carreira. Vários produtores, empresários e antigos parceiros do cantor também não sabem de seu paradeiro.

Mesmo sem dar nenhuma resposta final para o enigma, a equipe do Fantástico deixou a entender que Belchior estaria preparando uma volta triunfal aos holofotes e ainda prometeu solucionar o estranho caso do sumiço do cantor.

Informações do Virgula.com.br
Compartilhe
Banner

Ítalo Dorneles

Mudei o meu perfil do blogger. Agora estou utilizando este aqui: https://draft.blogger.com/profile/12182443674733728583

Poste um comentário:

2 Comentários:

  1. È CLARO QUE TUDO ISSO TEM CHEIRO DE GOLPE PUBLICITÁRIO. MAS SE A PIRIGUETE SANGALO USA A GRAVIDEZ, DUPLAS SERTANEJAS EXPLORAM OS "DIVÓRCIOS", O TOC DO ROBERTO CARLOS É NOTÍCIA... PORQUE O NOSSO BEL NÃO PODE USAR DESTE "ARTIFÍCIO" PARA ACORDAR OS ENTORPECIDOS PELO MODISMO DA TV PARA SUA BOA MÚSICA?

    Flávio Teixeira.

    ResponderExcluir
  2. Caro Anônimo, não costumo e não gosto de faltar com a elegância com as pessoas, mas antes que me esqueça, Vá Tomar no seu Cú.
    Mesmo que Belchior fizesse isso, não é isso que devemos levantar, pare e pense, attistas de grandes valor estão esquecidos pela massa burra da população que só compra a porra do Cailpso e outras merdas.
    Independente deste episódio, eu sempre lamentei o exílio do Belchior, mas não falo do Exilio escolhido por ele, mas do exílio da burrice de quem gosta de lixo musical.
    Tô arrasada com o que fazem com as pessoas competentes como o Belchior.

    ResponderExcluir